principal

Robson Conceição garante ouro inédito para o Brasil no boxe


Foram necessárias três participações em Jogos Olímpicos para Robson Conceição alcançar o sonho dourado. A caminhada foi longa, dura, mas gloriosa. Aos 27 anos, depois de chegar na Rio-2016 como maior favorito a medalha para o Brasil no boxe, o baiano confirmou a expectativa, a superou e conquistou a medalha de ouro inédita para o país de forma espetacular. Nesta terça-feira, ele venceu o francês Sofiane Oumiha na decisão dos juízes e conquistou a medalha de ouro inédita para o país na modalidade.

A torcida que lotou a arena recebeu o pugilista sob o canto de “o campeão chegou”, tamanha a confiança. O brasileiro não sentiu o peso nas costas. Pelo contrário. Trouxe a torcida como aliada, pressionou o francês desde o início e abriu vantagem nos rounds iniciais, mostrando uma agressividade impecável que foi bem trabalhada com seu jogo de esquivas e envergadura.

Treinado pelo renomado Luiz Dórea, na academia Champion, em Salvador (BA), o lutador revelou ter sido “espancado” nos treinos preparatórios para o Rio-2016. Crescido na favela, mais do que as pancadas que levou nos treinos aquelas que a vida lhe acertou serviram para que seu lema “Sou brasileiro e não desisto nunca”.

O jeito pacato acompanhou a sua humildade durante toda a competição. Se a cada luta seu favoritismo era confirmado, o baiano sempre recusou o clima de “já ganhou” e afirmou seguir em frente “na humildade”.

Em suas duas primeiras participações em Olimpíada, ele foi eliminado ainda na primeira fase. As frustrações se tornaram lições valiosas para Robson.

A LUTA
1º round
O brasileiro logo avançou contra o francês e começou o duelo apostando em combinações na distância. Dominando o cetro do ringue, ele conectou bons golpes de direita, que logo incendiaram o público. O francês respondia, mas muitos golpes entravam no vazio. Robson teve boa esquiva e trabalhou bem sua envergadura, apostando muitas vezes em contragolpes. Ao fim da primeira etapa, três juízes deram vitória para o brasileiro.

2º round
A segunda etapa se iniciou com o francês cercando mais, fazendo Robson se movimentar. O brasileiro combinava seus ataques com uma esquiva eficiente. Sofiane durante todo o tempo ameaçou com dois golpes em sequência. Jogando com uma guarda fechada e consciente, Robson chegou a derrubar o rival no segundo assalto, mas nada muito sério. Apenas nos segundos finais o francês acertou bons golpes. Três juízes viram triunfo tupiniquim também na segunda etapa.

3º round
No último round, para correr atrás do prejuízo, Sofiane começou pressionando e melhorou na disputa. Mais cauteloso, Robson parecia administrar a luta, sem o mesmo ímpeto, se esquivando e mostrando leve cansaço. Empurrado pela torcida, o brasileiro golpeou mais lento, mas mostrou garra. Trabalhando com a mão da frente para manter a distância, ele passou o fim do round se movimentando e boxeando de forma segura até o gongo final.

fonte: cidadeverde.com